Páginas

E quem disse que a natureza não está presente nas cidades?

O objetivo do UrbAnimals é exatamente esse: Dar uma visão que geralmente passa despercebida por todos diante de tanto trabalho e correria. A vida animal está presente tanto em nossos quintais como em parques e zoológicos.


O tema dos animais urbanos foi escolhido por mim não só pela certa dificuldade em ser estudante e viajar à procura de outros animais, mas também por se tratar de um tema importante, que mostra o quanto o homem já interferiu na vida do planeta, e como a natureza está se adaptando a isso.


Como futuro biólogo, tento aprender e difundir esse conhecimento cada vez mais, para que o homem entenda melhor cada uma dessas belas criaturas e aprenda a viver em harmonia com elas, trazendo assim um mundo melhor para todos, um mundo melhor para a vida.

Surpreenda-se. De cães a elefantes, de peixes a morcegos, o UrbAnimals vai te levar ao mundo de cada um deles.

Um grande abraço, Thom Girotto.

26 de outubro de 2010

Especial Zoológico de SP - parte 3

As bandejas são produzidas com base na dieta de cada animal. Alguns alimentos 'extras' são adicionados para complementar a alimentação dos animais. Por exemplo, um hipopótamo dificilmente comeria frutas e legumes na natureza, pois se alimenta basicamente de capim e gramíneas. Com a bandeja recheada de frutas, além de mais gostosa, a dieta dos bichos do Zôo fica ainda mais rica em nutrientes.


Como podemos ver, cada bandeja possui o nome do animal ou recinto ao qual se destina.


As frutas, legumes e vegetais que incluem cada bandeja estão sempre fresquinhos e protegidos até o momento de serem colocados nas bandejas para a alimentação dos animais. Várias caixas e redes guardam e protegem os alimentos na cozinha do Zôo. As carnes ficam congeladas.


Muitos dos alimentos que são dados aos animais são cultivados pela Fazenda do Zôo. A Fazenda existe desde 1982, com o objetivo de cultivar esses alimentos e criar algumas espécies. Está localizada entre os municípios de Sorocaba, Araçoiaba da Serra e Salto de Pirapora, e conta com uma área de 574 hectares. É responsável pela produção de cerca de 1.200 toneladas de alimentos por ano, destinadas aos mais de 3.500 animais do parque.

Como o Zoológico está localizado dentro de uma área de Mata Atlântica, a Fazenda é a principal alternativa para a reprodução de espécies. Algumas espécies como grande-kudu, oryx, waterbuck e zebra são criadas lá. Abaixo, um waterbuck no ZooParque Itatiba.


Especial Zoológico de SP - parte 2


O caminho para chegar ao Setor de alimentação animal é bem agradável. A rua que nos leva até lá é envolta por árvores e plantas, bem ao estilo do Zoológico, fora o barulho dos animais que não estão expostos no parque. Lá conhecemos a cozinha, onde são preparadas as dietas de cada bicho, e para isso, o trabalho tem que começar bem cedo e ser muito bem feito. A cozinha do Zôo trabalha com algumas toneladas de alimentos por dia.


Calma pessoal, isso não é sangue! Logo na entrada da cozinha, há um pequeno afundamento que é preenchido por uma solução que tem como base o Iodo. Esse líquido serve para esterilizar os calçados de todos aqueles que entrarem na cozinha. Saúde e qualidade em primeiro lugar.


São muitas mesas onde são montadas as bandejas de comida dos bichos. Todas elas são separadas de acordo com o tipo de animal a qual suas bandejas se destinam, e contam com alguns aparelhos de medição, corte e pesagem.


Durante nossa visita, pudemos ver essas bandejas com carne, de vários tipos. Cada tipo tem propriedades diferenciadas, e podem ou não ser misturadas para serem consumidas por carnívoros.


Principalmente para aqueles setores que exigem dietas especiais, como o setor veterinário, onde os animais estão se recuperando, existe esse 'cardápio-lembrete'. Nele está especificado a quantidade exata de cada alimento para cada animal. Animais debilitados e filhotes recebem uma atenção maior ainda da equipe do Zôo.

24 de outubro de 2010

Especial Zoológico de SP - parte 1

Sim, nós conseguimos! O UrbAnimals vai mostrar um pouco do que não é visto no Zoológico de São Paulo, o maior da América Latina. Conseguimos nos incluir em um grupo de visitação exclusivo para faculdades, e assim conhecemos a cozinha do Zôo, e aprendemos um pouco sobre toda a estrutura necessária para manter os mais de 3.200 animais que vivem ali.

E logo que chegamos no Parque, tivemos uma recepção incrível e inesperada, por parte de um casal de tucanos de bico verde (Ramphastos dicolorus), animais que vivem em vários biomas, incluindo a Mata Atlântica.

Essas lindas aves ainda são prejudicadas pela destruição de seu hábitat e por caçadores, mas felizmente se encontram longe da extinção, apesar de serem raros.


Foi um ótimo começo de passeio pelo Zoológico, ainda mais sabendo que outras espécies endêmicas como teiús, preguiças, tatus, bugios e gambás também poderiam ser avistadas.

Desde já, quero agradecer a todos que nos acompanharam na tão proveitosa visita:
- Meu professor de Biologia, Aleksej Kozlakowski Jr. e seu filho, Pedro Kozlakowski.
- Gabriela Goulart, amiga e futura veterinária.
- José R. P. Farah, grande amigo, sempre nos ensinando e aprendendo com a natureza.
- Marcus V. F. Farah, meu querido amigo, também futuro biólogo.

Um agradecimento especial ao meu querido pai, que organizou boa parte da visita, porém infelizmente não pôde ir conosco, e ao Colégio Elvira Brandão, que cuidou de tudo para que a nossa visita fosse autorizada.

E é isso aí! Acompanhe o UrbAnimals nesse passeio por dentro do Zôo!

Um abraço!