Páginas

E quem disse que a natureza não está presente nas cidades?

O objetivo do UrbAnimals é exatamente esse: Dar uma visão que geralmente passa despercebida por todos diante de tanto trabalho e correria. A vida animal está presente tanto em nossos quintais como em parques e zoológicos.


O tema dos animais urbanos foi escolhido por mim não só pela certa dificuldade em ser estudante e viajar à procura de outros animais, mas também por se tratar de um tema importante, que mostra o quanto o homem já interferiu na vida do planeta, e como a natureza está se adaptando a isso.


Como futuro biólogo, tento aprender e difundir esse conhecimento cada vez mais, para que o homem entenda melhor cada uma dessas belas criaturas e aprenda a viver em harmonia com elas, trazendo assim um mundo melhor para todos, um mundo melhor para a vida.

Surpreenda-se. De cães a elefantes, de peixes a morcegos, o UrbAnimals vai te levar ao mundo de cada um deles.

Um grande abraço, Thom Girotto.

8 de novembro de 2011

UrbAnimals em Ubatuba - parte 7


Lindas, incríveis, fascinantes... As tartarugas-marinhas são essenciais para o planeta, e o Projeto TAMAR é uma das principais entidades que trabalham pela sua preservação.


São cinco espécies no Brasil, cabeçuda, de-pente, oliva, verde e de couro, e o TAMAR possui exemplares das quatro primeiras espécies. A tartaruga-de-couro é difícil de ser mantida em cativeiro por diversos motivos, como sua restrita alimentação (águas-vivas) e seu tamanho, sendo a maior de todas as tartarugas-marinhas.

Confira algumas fotos tiradas durante a nossa visita!

Essa é a tartaruga-cabeçuda, ou Caretta caretta. Na foto, podemos notar evidentemente a pequena garra. Este indivíduo é um macho, e a utiliza para se 'prender' na fêmea no ato da cópula. A espécie possui um par de glândulas, ao lado dos olhos, por onde expele o sal em excesso, proveniente da água e dos alimentos.

Observando as tartarugas...

Este simpático quelônio é uma tartaruga-de-pente. Se trata de uma espécie muito ameaçada de extinção, afinal seu nome vem do passado, quando sua carapaça era utilizada para fazer pentes, entre outros objetos.

A tartaruga-de-pente é encontrada principalmente em recifes de corais e águas costeiras, e se alimenta basicamente de lulas, camarões, esponjas e anêmonas.

A tartaruga-oliva é a menor espécie de tartaruga-marinha, pesando cerca de 40kg, e medindo, em média, 80cm. É carnívora, podendo se alimentar de algas eventualmente.

Esse é o bebê-híbrido, cruzamento entra uma tartaruga-de-pente com uma cabeçuda. Um animal muito ativo e simpático, que é um mascote lá no Projeto.

Um indivíduo híbrido é filho de pais de espécies diferentes; Essa simpática tartaruguinha será mantida no TAMAR como mais um exemplar em prol da preservação.

Olha a nossa mascote aí de novo!

Esse potinho contém o que foi encontrado dentro do estômago de uma tartaruga-marinha. Um dos maiores problemas da poluição marinha é esse; Os animais veem o lixo, confundem-no com comida e se intoxicam e/ou morrem afogados por sua causa.

Antes de jogar 'só mais um papelzinho' na natureza, lembre-se de todos os seres incríveis que estarão sendo prejudicados.

Nenhum comentário:

Postar um comentário